Confira:

6/recent/ticker-posts

Fotolivro sobre a festa do Divino Espírito Santo é lançado e distribuído para comunidade do Guaporé

Imagens retratam a beleza da pluriculturalidade da comunidade tradicional do Vale Guaporé em RO

Porto Velho, RO - 
Pelas lentes dos fotógrafos e ativistas Luiz Brito, Ederson Lauri e Marcela Bonfim, a beleza da pluriculturalidade da comunidade tradicional do Vale Guaporé, localizada no estado de Rondônia, em fronteira com a Bolívia, foi eternizada.

Os retratos enaltecem o encantamento e a beleza das comunidades quilombolas, indígenas e fronteiriças, além dos autorreconhecidos como afroindígenas, caboclos e beradeiros: devotos de uma celebração de fé e religiosidade.

Através das imagens, o livro retrata traços marcantes de um processo de formação de diversas identidades tradicionais, através das múltiplas faces oriundas das miscigenações dos povos da Amazônia.

A obra tem por finalidade apresentar a expressividade de fé e religiosidade da comunidade do Vale Do Guaporé, que apesar da celebração ao Divino Espírito Santo ocorrer em outros estados, Rondônia possui uma peculiaridade: o festejo percorre, via fluvial, aproximadamente mil quilômetros no rio Guaporé e seus afluentes, por quase dois meses de Romaria.

Luiz Brito é fotógrafo documentarista e servidor público da cultura. Ele iniciou um processo de reconhecimento cultural através de imagens captadas na década de 1980 até o início dos anos 2000. Seu trabalho levou a uma imensa dedicação e paixão pela comunidade.

Entre os registros captados pela fotógrafa Marcela Bonfim, está fixado a existência e memória de uma Amazônia enegrecida; brotada e frutificada no seio do Vale do Guaporé, em Rondônia, além da estreita relação com Vila Bela de Santíssima Trindade, em Mato Grosso.

De acordo com Marcela “As fotografias marcam a resistência das raízes negras entrelaçadas à ancestralidade e cultura indígena; com o alcance e propagação de uma fluência comunitária exclusiva, e em plena comunicação com a fé” diz.

O professor e pesquisador visual Ederson Lauri, ressalta a importância destes retratos que expressam a identidade local. Para ele, as fotografias possuem a propriedade de revigorar a riqueza cultural de uma comunidade que é pouco reconhecida no próprio estado, permitindo inclusive oportunidades de pesquisas e valorização local.

As atividades de pesquisa e extensão realizados pelo Laboratório de Narrativas Visuais (LABINAVI) da Universidade Federal de Rondônia-UNIR/Ariquemes, alinham tanto a parte documentária de pesquisa e a valorização da diversidade de povos quanto à difusão de obras dos artistas do estado.

Veja algumas imagens:



O livro foi desenvolvido através de recursos do Governo do Estado de Rondônia através da Lei Aldir Blanc, executada pela Superintendência da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer (SEJUCEL) com repasses financeiros aos artistas. Foram reproduzidas 1000 cópias, sendo 50% destinadas às comunidades da Irmandade do Divino Espírito Santo do Vale do Guaporé, e os outros 50% das tiragens foram encaminhados às bibliotecas de Rondônia e da Região Norte, bem como às instituições de cultura e arte do Brasil.


Fonte: Diário da Amazônia

Postar um comentário

0 Comentários