Confira:

6/recent/ticker-posts

SBC alerta para doença de Chagas causada por alimentos contaminados


Sociedade de Cardiologia alerta que até 70% dos casos acontece pela ingestão de açaí, caldo de cana e alguns sucos típicos da região Norte

PORTO VELHO, RO - Tradicionalmente transmitida pela picada do inseto chamado de barbeiro, a doença de Chagas mudou de perfil nos últimos anos. No Dia Mundial da patologia, lembrado nesta quinta (14/4), a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) alerta que, atualmente, cerca de 70% dos casos acontece pela ingestão de alimentos contaminados.

A doença é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, e é considerada endêmica na América Latina. Com a melhora da economia e a diminuição das casas construídas com taipa (morada do barbeiro), hoje a principal forma de contaminação é o açaí contaminado, mas há relatos de doença causada após a ingestão de caldo de cana, bacaba e outros sucos típicos consumidos na região Norte. O estado mais afetado é o Pará, maior produtor de açaí do Brasil.

O açaí industrializado, que é consumido com maior frequência no país, passa por um processo de branqueamento, com aquecimento a 80°C e lavagem com produto especial — as ações inativam o protozoário e tornam o produto seguro para consumo. Ele é perigoso quando é preparado pelo pequeno produtor, que colhe a frutinha diretamente do pé, ou para famílias que compram o açaí in natura em mercados municipais.

Sintomas

A doença de Chagas tem duas fases. Na aguda, não há sintomas, dificultando o diagnóstico precoce. Na fase crônica, que começa anos depois da contaminação, há complicações cardíacas e digestivas, com arritmias, aumento do volume do coração, dilatação do esôfago e do cólon. Outros sintomas dessa etapa são desmaios, dor no peito, palpitação, inchaço dos membros inferiores e dores abdominais.

“Cerca de 15% dos casos de insuficiência cardíaca se dá pela doença. Ou seja, é a cardiomiopatia mais grave, que mata muito mais do que outras”, explica o pesquisador e professor da Universidade Federal do Acre (Ufac) Odilson Silvestre, diretor financeiro do Departamento de Insuficiência Cardíaca da SBC.

Fonte: Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários