Confira:

6/recent/ticker-posts

Fotógrafo Lalo de Almeida, da Folha, vence prêmio mundial do World Press Photo



Trabalho documenta ocupação da Amazônia e seu impacto na floresta e nos habitantes da região

PORTO VELHO, RO - O fotojornalista da Folha Lalo de Almeida, 52, estava no mês passado em uma aldeia indígena próxima a Altamira (PA) quando pediu que ligassem um gerador para que o sinal de internet funcionasse. Ali soube que havia vencido a categoria regional de longa duração do World Press Photo, a mais prestigiosa premiação de fotojornalismo do mundo, por seu trabalho na Amazônia.

Aquele, a seu ver, foi um dos principais passos de sua carreira. O seguinte veio nesta quinta-feira (7) com o anúncio de que conquistou o "Oscar" da fotografia. O projeto Distopia Amazônica, que documenta a ocupação amazônica e o seu impacto na floresta e nos habitantes da região, foi o ganhador da categoria longa duração na fase mundial.

Ao receber a notícia por telefone, Lalo conta ter chorado. "É um prêmio que reconhece um período muito longo de trabalho. É como se reconhecesse a própria carreira, o que eu fiz nos últimos dez anos."

O trabalho, iniciado em 2012 e concluído no ano passado, consiste numa sequência de 30 fotografias. Vinte e cinco delas foram feitas exclusivamente para a Folha e boa parte delas foi publicada na série Amazônia sob Bolsonaro.

As reportagens da série começaram a ser publicadas em 2020 e contam os desafios para manter a floresta em pé, abordando temas como desmatamento, garimpo ilegal e comunidades quilombolas.

A maior parte do trabalho foi feita em parceria com os jornalistas Fabiano Maisonnave e Marcelo Leite e contou com o financiamento de Rainforest Foundation Norway e Climate Home News.

Na avaliação de Lalo, o prêmio ajudará a levar os problemas da Amazônia ao conhecimento de um público global.

Ele considera que a Amazônia vive, na gestão de Jair Bolsonaro (PL), o ápice do seu processo de destruição. Porém, afirma que não dá para responsabilizar apenas o atual governo.

Lalo lembra que o projeto de construção da usina de Belo Monte, que deu origem ao trabalho premiado, foi planejado no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e executado no de sua sucessora, Dilma Rousseff (PT). "O governo atual pisou no acelerador [da degradação]."



Meninas Pirahã observam motoristas que passam pela rodovia Transamazônica na esperança de receber doações de lanches e refrigerantes, ao lad Lalo de Almeida - 21.set.2016/FolhapressMAIS

O profissional diz que o trabalho premiado mostra que a Amazônia padece de um problema estrutural, do tamanho de suas dimensões —não apenas conjuntural. "A função principal é mostrar a complexidade da situação amazônica. Não dá para falar da questão ambiental sem falar da social. A floresta não é um deserto verde."​

Segundo Lalo, o projeto Distopia Amazônica não tem data para acabar. "Vou continuar fotografando a Amazônia enquanto eu tiver energia."

E, se precisou caçar sinal de internet para saber o resultado da premiação regional da Word Press Photo, nesta quinta (7) ele vai torcer para que uma de suas duas filhas esteja comunicável lá na Amazônia.

Pesquisadora do Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV, Nina Almeida, 25, trabalha em um projeto que avalia os impactos no asfaltamento da BR 319, rodovia Manaus-Porto Velho. "Ela está lá no mundão, me dá até agonia."

A cerimônia de premiação do World Press Photo está marcada para ocorrer entre os dias 11 e 14 de maio, em Amsterdã, na Holanda. Na sequência, os trabalhos vencedores nas quatro categorias —longa duração, grande foto, história e formato aberto— deverão ser expostos em vários países.

Lalo tem colecionado premiações. No ano passado, ele venceu a categoria meio ambiente do World Press Photo com um trabalho sobre o Pantanal.




Corpo de macaco bugio carbonizado por um incêndio florestal que atingiu a fazenda Santa Tereza na região da Serra do Amolar, no Pantanal do Lalo de Almeida/FolhapressMAIS

A série, que ao longo de meses de 2020 retratou a destruição provocada pelo fogo, foi feita em parceria com Maisonnave. Nela destacou-se o retrato de um bugio ajoelhado e carbonizado no meio de uma mata devastada.

Pelo mesmo trabalho, ele foi reconhecido, em janeiro do ano passado, como o fotógrafo ibero-americano do ano pelo concurso Poy Latam (Pictures of the Year International), uma das mais importantes premiações de fotografia documental da América Latina.

Ainda no ano passado, Lalo ganhou a bolsa W. Eugene Smith Memorial por seu trabalho na Amazônia. A honraria e o valor de US$ 10 mil (cerca de R$ 47,2 mil) são concedidos anualmente a profissionais cuja produção siga a tradição fotojornalística do americano W. Eugene Smith (1918-1978) em seus 45 anos de carreira.

Ele foi o segundo brasileiro a receber o prêmio. O primeiro foi Sebastião Salgado, em 1982.

Fonte: Folha de São Paulo

Postar um comentário

0 Comentários