Confira:

6/recent/ticker-posts

Familiares relatam medo de contaminação em hospital de Rondônia


Imagens mostram paredes tomadas por mofo e sujeira no Cemetron

PORTO VELHO, RO - Quartos tomados pelo mofo, paredes deterioradas, banheiros com cerâmicas quebradas e sujeira, essa é a atual situação do prédio do Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron). Familiares de pacientes internados na unidade começaram a compartilhar as imagens do local em redes sociais.

Uma mulher, de 27 anos, que está acompanhando a mãe falou sobre o descaso na saúde pública, em Rondônia.

“Olha a situação do hospital Cemetron, na ala feminina, aqui onde minha mãe se encontra. Lembrando que a central [de ar-condicionado] não está funcionando. Não tem água gelada. Com o calor que a gente passa em Porto Velho é um descaso. Olha essas paredes, o ferro [do soro] enferrujado”, desabafou.

Os banheiros estão tomados pelo lodo e quase sem azulejos, e exalam mau cheiro.

“A situação precária desse hospital. Governador, olhe pela gente, pela população. Os pacientes que necessitam. Olha esse banheiro, a situação. Olha essa porta! Pode isso? Esse chuveiro… Uma tristeza. Fora o mau cheiro. A porta tem que ficar fechada. Não tem ventilador. As paredes com mofo”, lamentou.

Um outro familiar falou sobre o caso, e diz estar preocupado com a saúde da mãe.

“Minha mãe estava na UTI do Cemetron. Saiu de lá, para esse lugar que não posso chamar de quarto. Ela iria pegar outra doença. Nem durmo direito com essa situação. Fora que ela está com a imunidade baixa e correndo risco de pegar outra doença”, disse ele.

Pacientes contam que não há água gelada nem ar-condicionado para os pacientes e acompanhantes.

O Diário da Amazônia tenta contato com a Secretaria de Estado da Saúde de Rondônia (Sesau).



Imagens mostram paredes tomadas por mofo e sujeira no Cemetron – Foto: Divulgação



Imagens mostram paredes tomadas por mofo e sujeira no Cemetron – Foto: Divulgação



Imagens mostram paredes tomadas por mofo e sujeira no Cemetron – Foto: Divulgação


Fonte: Diário da Amazônia

Postar um comentário

0 Comentários