Confira:

6/recent/ticker-posts

Disney, construída sobre contos de fadas e fantasia, confronta o mundo real


O gigante do entretenimento passou décadas evitando até mesmo o cheiro da controvérsia. Mas tem sido cada vez mais atraído para a briga política partidária

PORTO VELHO, RO - Desde sua fundação em 1923, a The Walt Disney Co. tem se destacado em Hollywood de uma maneira fundamental: seus filmes, programas de televisão e passeios em parques temáticos para toda a família, pelo menos em teoria, sempre foram direcionados a todos, com potencial político e armadilhas culturais zelosamente evitadas.

A marca Disney é sobre desejar as estrelas e encontrar o amor verdadeiro e viver feliz para sempre. Caso os castelos de contos de fadas sejam muito sutis, os parques temáticos da Disney prometem uma fuga da realidade com placas de boas-vindas que dizem: “Aqui você deixa o hoje e entra no mundo do ontem, amanhã e fantasia”.

Ultimamente, no entanto, a feiúra do mundo real está se aproximando do Magic Kingdom. Neste momento hiperpartidário, ambos os lados da divisão política estão se abatendo sobre a Disney, colocando em risco uma das marcas mais conhecidas do mundo – uma que, para muitos, simboliza a própria América – enquanto tenta navegar em uma indústria de entretenimento em rápida mudança.

Em alguns casos, a Disney se envolveu voluntariamente em questões culturais. Recentemente, sob aplausos dos progressistas e muxoxos da extrema-direita, a Disney decidiu fazer anúncios em alto-falantes em seus parques temáticos, neutros em termos de gênero, removendo “senhoras e senhores, meninos e meninas” em favor de “sonhadores de todas as idades”.

Mas a gigante do entretenimento também se viu arrastada para a briga, como no recente imbróglio sobre uma nova lei da Flórida que, entre muitas coisas, restringe o ensino em sala de aula, até a terceira série, sobre orientação sexual e identidade de gênero e foi rotulada pelos oponentes como “Não diga gay.”

A princípio, a Disney tentou não tomar partido da legislação, pelo menos publicamente, o que provocou a revolta de funcionários. A Disney então denunciou agressivamente o projeto – apenas por se encontrar na mira dos apresentadores da Fox News e do governador da Flórida, Ron DeSantis, que enviou um e-mail de arrecadação de fundos para os apoiadores dizendo que a Disney havia “perdido qualquer autoridade moral para dizer o que fazer”.

Os legisladores da Flórida começaram a ameaçar revogar uma lei de 55 anos que permite que a Walt Disney World funcionar essencialmente como o seu próprio governo municipal. (A Disney já tinha estado em desacordo com o governador em questões pandêmicas como um mandato de vacina para funcionários).

Ao tentar não ofender ninguém, a Disney aparentemente havia perdido todos.

“A missão da marca Disney sempre foi muito clara: não fazer nada que possa perturbar ou confundir o público familiar”, disse Martin Kaplan, professor de entretenimento, mídia e sociedade de Norman Lear na Universidade do Sul da Califórnia e ex-executivo dos estúdios Disney. "Diversão para todos". Nada de censurável. Vamos todos ser transformados pela varinha mágica". Mas hoje estamos tão divididos, tão acelerados, que até a Disney está tendo dificuldade em nos unir".

Evitar tópicos socialmente divisivos, é claro, por si só reflete uma certa visão de mundo. Afinal, o fundador homônimo da Walt Disney Co. era um conservador. O patriotismo da Main Street USA, famosa rua do Magic Kingdon, sempre tem destaque nos parques temáticos da Disney.

A história tradicional do Natal é contada todo mês de dezembro na Disney World, na Flórida, e na Disneylândia, na Califórnia, com procissão à luz de velas, declamação de versículos da Bíblia e tudo mais.

Além disso, a empresa demorou até 2009 para apresentar uma princesa negra.

Funcionários da Disney protestam contra a reação da empresa a uma lei restringindo discussões sobre orientação sexual e identidade de gênero Foto: J. EMILIO FLORES / NYT

No entanto, nos últimos anos, houve uma mudança notável. Robert Iger, que atuou como CEO de 2005 a 2020, pressionou a maior empresa de entretenimento do mundo a enfatizar a diversidade de elenco e narrativa.

Em reunião de acionistas da Disney em 2017, referindo-se à inclusão e igualdade, disse: “Podemos pegar esses valores, que consideramos importantes socialmente, e realmente mudar o comportamento das pessoas – fazer com que as pessoas aceitem mais as múltiplas diferenças, culturas e raças e tudo mais. Outras facetas de nossas vidas e de nosso povo”.

Em essência, entretenimento como mobilização social.

Iger foi quem impulsionou o blockbuster global “Pantera Negra”, que tinha um elenco quase inteiramente negro e um poderoso enredo afro. Sob seu mandato, a Disney reorientou a franquia “Star Wars” em torno de personagens femininas. Um desfile de filmes de animação (“Moana”, “Coco”, “Raya e o Último Dragão”, “Soul”, “Encanto”) apresentou uma grande variedade de raças, culturas e etnias.

O resultado, na maioria das vezes, foi um acerto atrás do outro. Mas uma parte do público da Disney recuou.

“Eternos”, um filme da Disney-Marvel de US$ 200 milhões, foi “bombardeado” porque mostrava um super-herói gay beijando seu marido. Em janeiro, a Disney foi acusada pelo ator Peter Dinklage e outros de tráfico de estereótipos ao avançar com um filme live-action de “Branca de Neve” – até que foi revelado que a empresa planejava substituir os sete anões por “criaturas mágicas” criadas digitalmente. ” Por sua vez, isso provocou reclamações de outros sobre o “apagamento” de pessoas com nanismo.

Main Street USA, uma das ruas mais famosas do Magic Kingdon Foto: Reprodução

Os executivos da Disney tendem a descartar tais incidentes como tempestade em copo d'água: tendência hoje, substituída por uma nova reclamação amanhã. Mas mesmo tempestades on-line moderadas podem ser uma distração dentro da empresa. São realizadas reuniões sobre como e se responder.

Enquanto a Disney se preparava para apresentar seu serviço de streaming em 2019, iniciou uma extensa revisão de sua cinemateca. Como parte da iniciativa, chamada de "Stories Matter", a Disney adicionou isenções de responsabilidade ao conteúdo que a empresa determinou incluir “representações negativas ou maus-tratos de pessoas ou culturas”. Exemplos incluem episódios de “The Muppet Show” da década de 1970 e a versão de 1941 de “Dumbo”.

“Esses estereótipos estavam errados na época e estão errados agora”, diziam os avisos de isenção de responsabilidade.

A equipe do "Stories Matter" sinalizou em particular outros personagens como potencialmente problemáticos, com as descobertas repassadas aos líderes sêniores da Disney, de acordo com dois executivos do grupo, que falaram sob condição de anonimato para discutir informações confidenciais.


Fonte: O Globo

Postar um comentário

0 Comentários