Confira:

6/recent/ticker-posts

Após 22 anos, povo Gavião retoma atividade extrativista da borracha natural em Rondônia


Primeira reunião de planejamento da safra aconteceu em fevereiro de 2022. Extração do látex acontecerá na Terra Indígena Igarapé Lourdes, em Ji-Paraná.

PORTO VELHO, RO - 
Depois de 22 anos, o povo Gavião, da Terra Indígena (TI) Igarapé Lourdes, em Ji-Paraná (RO), retomou a atividade extrativista da borracha natural. Para José Palahv Gavião, coordenador da cooperativa Coopervekala, o resgate do trabalho deixa em evidência a prática intrínseca ao povo.

"Até a década de 80, o povo Gavião parou de trabalhar com a seringa e hoje, a gente vai começar a trabalhar. O povo gavião retornou com a extração de látex, através da cooperativa, com a parceria com o Pacto das Águas e ainda com o valor agregado. O povo fica feliz com o retorno ao trabalho, porque a gente tem essa prática", disse José Palahv.

A primeira reunião de planejamento da safra aconteceu em fevereiro de 2022. Segundo Stephanie Carolina da Silva, assessora técnica do Pacto das Águas, o cadastro do produtor e a entrega de insumos para apoio à cadeia já foi realizado.

"A gente chega com eles com o pagamento por serviços socioambientais, ou seja, é [a união] do trabalho que eles vem fazendo de manter a floresta em pé e preservar a natureza, e a remuneração disso", explicou.


Reunião entre povo Gavião e Pacto das Águas — Foto: Divulgação

Comercialização

De acordo com a Pacto das Águas, a extração do látex na TI Igarapé Lourdes já tem destino. Em reunião com o povo indígena, foi oficializado a comercialização do produto para duas empresas de tênis.

José Palahv Gavião ressalta que, o aumento no valor de comercialização foi um dos fatores decisivos para a retomada do trabalho.

"Na época, a gente trabalhava com 30 centavos cada quilo. Hoje, que é R$ 12, a gente percebe que é um avanço", diz.

Além do látex extraído na Terra Indígena, as empresas de tênis já utilizam borracha nativa de três Reservas Extrativistas de Rondônia, a Rio Cautário e a do Rio Ouro Preto.


Fonte: G1/RO

Postar um comentário

0 Comentários