Confira:

6/recent/ticker-posts

'Transversais', barrado por Bolsonaro, merece ser visto e discutido

Documentário de Émerson Maranhão conta os sonhos e realizações de cinco pessoas transgênero que moram no Ceará

PORTO VELHO, RO - "Transversais" é uma obra que ficou famosa muito antes de chegar às telas do circuito, nesta quinta-feira. Em agosto de 2019, Jair Bolsonaro apareceu numa live em suas redes sociais desqualificando os vencedores de um edital da Agência Nacional de Cinema, a Ancine, que forneceria recursos para sua produção.

"Fomos garimpar na Ancine filmes que estavam prontos para ser captados recursos no mercado. Olha o nome de alguns, são dezenas", disse. "Um filme chama ‘Transversais’. Olha o tema ‘sonhos e realizações de cinco pessoas transgêneros que moram no Ceará’. Conseguimos abortar essa missão", anunciou o presidente.

Documentário nacional 'Transversais' conta a história de cinco pessoas que têm em comum o fato de terem suas vidas atravessadas pela transexualidade - Juno Braga e Linga Acacio/Divulgação

Em termos. Se a Ancine acabou voltando atrás e escolhendo outros finalistas, por outro lado o produtor Allan Deberton e o diretor Émerson Maranhão foram à luta e conseguiram finalizar a obra. Inicialmente uma série em cinco episódios, "Transversais" se tornou um documentário de 85 minutos. E um documentário muito bom.

Com muita delicadeza e sobriedade, o filme conta a história da funcionária pública Samilla Marques, da professora Érikah Alcântara, do acadêmico Kaio Lemos, do enfermeiro Caio José e da jornalista Mara Beatriz, todos do Ceará, um estado que certamente carrega a fama do estereótipo do macho nordestino.

No caso dessa última personagem, a jornalista aparece falando da transição de sua filha, a estudante Lara, que também dá depoimentos. São ouvidos ainda familiares e amigos dos personagens.

A obra enfoca principalmente o processo de transição de gênero pelo qual cada um deles passou, suas dificuldades, lutas e alegrias. Há diversos momentos emocionantes, como quando Caio descreve a aceitação da transição por seu pai. Erroneamente, o rapaz julgava que aquele homem de idade avançada seria incapaz de compreender.

Destaque para as belas cenas de Kaio Lemos no candomblé e as da adolescente Lara com seus pais. Esses pais contam que tiveram de lutar contra o preconceito de parte de seus parentes, que acusaram a mãe de forçar a transição porque seu desejo era ter tido uma filha mulher.

A aceitação da família, no entanto, não acontece para todos os entrevistados. Pelo menos não totalmente, como relata Samilla Marques em seu depoimento. Mesmo transitando normalmente pela casa dos pais, e até levando amigas trans que são aceitas, muitas vezes ela ainda é chamada lá pelo nome masculino de batismo. Isso, segundo ela, equivale a uma anulação de sua identidade.


















De certa forma ajudado pela propaganda negativa do presidente, o documentário já foi exibido na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no festival Mix Brasil e no Cine Ceará. Agora, entra em cartaz em sete capitais, Fortaleza, Maceió, Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

Seja por seus muitos méritos, seja como forma de desagradar a Bolsonaro e a seu séquito homofóbico, "Transversais" é um filme que merece ser respeitado, visto e discutido. E ter uma boa bilheteria.


Fonte: Folha de São Paulo

Postar um comentário

0 Comentários